segunda-feira, 9 de julho de 2012

O timing perfeito

Um amigo meu, grande Benfiquista – mas um dos bons mesmo, assíduo do Manelito e tudo –, deu, sábado passado, uma lição de futebol a vários níveis. O que fez ele? Foi pai. Dou-lhe publicamente os parabéns. Não pela paternidade – para isso é que servem as sms e eu já mandei a minha –, mas antes pelo talento que denotou enquanto Benfiquista progenitor. O modo esquivo como evitou o conflito de interesses, o souplesse com que deixou para trás o Euro e, no mesmo gesto, evitou o arranque dos jogos amigáveis, prevenindo assim o choque entre uma ida a correr para a maternidade e a transmissão de um RH Hamm – Benfica, ou pior!, merecem a minha maior admiração e deixo, neste parágrafo, a minha modesta, muito modesta, homenagem a esta família Benfiquista que, por certo, fará do pequeno Eduardo um ponta-de-lança digno do 9 sagrado. Basta que, no campo e com a bola, o Eduardo venha a usar do mesmo sentido de oportunidade que o seu pai demonstrou no momento de o propor ao mundo. Que seja bem-vindo.

Com esta humilde nota sobre o sentido de oportunidade na hora de concretizar o nascimento aproveito para assinalar a abertura da pré-época do 227218. Na verdade, durante todo este tempo não escrevi por uma razão muito simples: não tinha o que dizer. Com o Benfica a banhos, escreveria sobre o quê? Sobre nada?

4 comentários:

Pedro Rocha disse...

Bem vindo de volta sejas Diego.

Meneldor disse...

Pois, eu até percebo que não tivesses assunto para escrever mas eu passei por cá todos os dias. ;)

E que um dia possas escrever sobre o golo fantástico que o Eduardo marcará e dará a vitória ao Glorioso!

Finalmente a época vai arrancar. :)

Germano Bettencourt disse...

Aramis, isso não se faz, nem que falasses da pesca do atum.

Bom regresso.

Abraço

PB disse...

Parabéns ao Nuno!