quarta-feira, 11 de julho de 2012

Sebastião e Godot

Há quem julgue que me abstenho. Acontece que vivemos numa era em que as pessoas – todas as pessoas – descobriram a maravilha que é ter uma opinião. Mais: as pessoas foram autorizadas a partilhá-las, diria mesmo incentivadas a fazê-lo, escrevendo em espaços virtuais públicos. E as pessoas levam esse pequeno novo poder muito a sério. As pessoas até chegam ao ponto de, mesmo não tendo uma opinião, emitir uma – uma qualquer, com ou sem fundamento, reproduzindo apenas o que se ouviu dizer sem se pensar no assunto, ou renegando qualquer coisa porque, assim à primeira, aquilo parece mal. Ora, eu não gosto de meter palavras no difusor se não for para comunicar uma de duas coisas: ou uma insignificância entretida e sem qualquer ambição – o que faço a maior parte das vezes – ou uma ideia com pés e cabeça que pretenda – e de facto mereça – ter relevância. Para bradar só porque é moda, não contem comigo. Portanto, o que eu faço não é abster-me; é mais abstrair-me.

Esta introdução serve para assinalar duas características do texto que pretendo escrever: tenho andado abstraído e, por isso, não vou falar de coisas sérias da actualidade. Não tenho pensado no presidente Vieira, nos seus detractores, nas contratações falhadas nem no Ola John. Tirando o desejo de ver o Luuk de Jong com a Digníssima vestida, pouco mais do Benfica me tem ocupado os pensamentos que não sejam as recordações.

A verdade é que o bom povo Benfiquista anda agitado por uma razão simples: temos saudades do Benfica, todos nós. E, como bons portugueses, há um espírito sebastianista nestas saudades. Que digo eu? O síndroma é mais antigo que a Portugalidade. Todo o mundo ocidental espera pelo seu messias (os que já estão servidos, já não esperam, mas em compensação são-lhe profundamente devotos). Em cada craque dos PALOP há um potencial Eusébio, em cada Luís Filipe Vieira existe um futuro Borges Coutinho, em cada Carlos Martins pode vir a nascer um Aimar. É assim que somos, os Benfiquistas. Em cada pré-época somos os certamente campeões da época que aí vem. Como antigamente.

Os tempos mudaram, os anos passaram e continuam a passar e o Benfica, o velho Benfica, não aparece. Há esta versão modernizadazinha e sofisticadazinha, maquilhada e propagandeada, mas o Benfica de que a gente gosta e de quem sentimos saudades bem poderia chamar-se Sport Lisboa e Godot.

Nos dias de sol sinto mais saudades do Benfica. O sol é o elemento do velho Estádio da Luz. Tudo nele era soalheiro, plácido, resplandecente. As pessoas tinham de usar boné. Com o desaparecimento do velho Estádio, perdeu-se um lugar fundamental da minha memória de infância, do princípio de mim perante o futebol. É como perder a casa de família onde crescemos – e já não é a primeira vez que exponho o assunto nestes termos.

Há uns tempos, passava em Mafra pelo sítio onde foi e, para mim, costumava ser porque sempre tinha sido, a minha escola primária. Ali, onde aprendi a ler e a dar pontapés na bola e a escrever cartas de amor “Vanda gostas de mim? Sim? Não?” exibem-se orgulhosamente três moradias quase tão sofisticadas quanto a nova Luz – uma delas até tem piscina. A visão chocou-me. Duplamente. Primeiro porque a minha escola já não estava lá. Segundo, porque eu já sabia que a minha escola não estava lá e que lá haviam construído aquelas três casas mas, ainda assim, eu estava à espera que tudo isso não tivesse nunca passado de um mal-entendido, um equívoco. E, então, quando olhei esperei sinceramente ver a minha velha escola e não ver casa alguma, como resultado de uma correcção cósmica de um erro crasso, de um atentado às minhas recordações.

Sucede o mesmo quando passo na Segunda Circular, por exemplo, e olho para o Estádio. Espero sempre ver três anéis e quatro torres de luzes a dizer Tudor. Mas o panorama teima em ser sempre o mesmo, numa visão tradicionalmente moderna. Mesmo quando chego ao Estádio em dias de jogo, o meu primeiro instinto naquele primeiro momento é esperar que o velho tenha sido reconstruído num instantinho e ocupe agora o lugar que o novo ocupou em tempos – mas que era e será sempre seu (do velho).

Todos estes pensamentos são fruto da minha abstracção e, antes disso, da passagem severa do tempo. As coisas vão mudando, nós vamos mudando. Só D. Sebastião não aparece. Tento compreender estas coisas e fico a pensar que crescer é assimilar mudanças, é depararmo-nos com elas, como quem descobre objectos estranhos, desconhecidos. Amadurecer é procurar essas mudanças e cuidar delas, ora estancando-as, ora incentivando-as. Já o envelhecimento é um exercício de perda. É perceber a irreversibilidade do que desaparece. Por mais que me custe, não voltarei a ver a minha escola, não voltarei a entrar no velho Estádio da Luz. E isso custa-me muito.

6 comentários:

POC disse...

Gosto muito deste Estádio. Mas o antigo, cheio, tinha qualquer coisa de transcendente...

moleculasdeamor disse...

Há na vida emoções maiores que nós... e isso é aquilo que faz... sentido... olho à minha volta e desconheço muito do que os meus olhos observam... este Benfica, esta mentalidade, este situacionismo que se moderniza que se esvai de alma... é uma dor que me mata... docemente... na minha memória tenho Chalana, o Alves, o Bento... mais tarde o Stromberg, o Filipovic e o Diamantino...pelo meio vejo o Nené, o Moinhos, O Reinaldo , o Folha... a palavra Moinhos recoloca-me num espaço de menino com olhos esbugalhados... e aqui e ali aparecem outras figurasde ouyros jogos... o Piruças, o Picas... o Jean Jaques, o Lisboa... coisas suaves, emoções maternas, amigáveis... hoje não sei o que se passa, mas passam-se coisas que não sei nem quero saber o que são!!!!!

Estou aqui numa emoção acre... almejo de novo a doçura de um desporto que mistura a arte e o coração e nos enche de vida alegre...

Germano Bettencourt disse...

Belo texto.

Eu como qualquer tuga, também tenho as minhas opiniões, mas tanto se opina e escreve por esse mundo virtual fora, que prefiro abstrair-me também eu das minhas opiniões e ler as dos outros.

Confesso que não sabia quem era, ou o que era Godot, mas fui pesquisar. E então percebi a amplitude da tua analogia. Por muito que doa, o Benfica é isso.

"O enredo baseia-se na falta de comunicação entre os personagens e na pausa do silêncio da espera de algo que não se resolve."

Abraço

Germano Bettencourt disse...

PS: e acabei de ser insultado, porque tenho um blogue onde a minha opinião séria sobre o Benfica raramente é explorada, e me limito a divertir com o futebol. Estás a ver, há para todos os gostos.

pitons na boca disse...

Começo a pensar se isto aqui não se está a tornar um caso de obesidade mórbida.
Cada vez que venho cá, olho para o titulo do ultimo post e leio "O Sebastião engordou".

Joana Moreira disse...

Encontrei o seu blog por acaso mas achei-o bastante interessante, continue o excelente trabalho!


Watch Premier League Online