sexta-feira, 1 de julho de 2011

Problemas de comunicação

Bruno César falou. Pior, Bruno César falou sobre Pablo Aimar. É grave. Ouvir Bruno César, na sua verborreia sub-futeboleira, elogiar os elogios de Aimar e a arte maior e o talento distinto de Pablito é equivalente a ouvir Tino de Rans comentar a presidência de Jorge Sampaio ou Zé Cabra dissertar acerca das propriedades únicas da voz de Camané. É aflitivo ouvir esta figurinha, que não acerta sujeito com predicado, plural com singular, desrespeitar, discursando em ignorância, tão nobre sujeito cujos predicados singulares tanto me encantam. É ofensivo. É medonho. Bruno César quer “imitar Aimar”. Para começar, que aprenda a falar – arte em que o elevado argentino é tão elegante quanto na recepção do passe ou na entrega aveludada de uma bola que rasga a defesa. Não tenho dado muita atenção à pré-época, mas há uma realidade que ganha contornos: este número 10 brasileiro tem tudo para ser o próximo Kardec do meu coração.

1 comentário:

karlos disse...

Que medo !
ate me assustou !
Poderíamos ser o melhor país do mundo, para se viver e para se orgulhar, temos capacidade para isso, mas sempre tem aquele maldito "mas".