terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O óbvio ululante

Nelson Rodrigues trata assim as coisas que são tão claras que praticamente gemem, ganem pela nossa atenção, uivam lânguida e prolongadamente pela nossa compreensão – são coisas tão nítidas, tão explícitas, que poderiam bailar diante de nós. E, no entanto, há qualquer coisa em nós, talvez um artifício primitivo, ou talvez apenas alguma estupidez, que nos impede de compreender o óbvio, por mais que este ulule.

Gostava de ver Nelson Rodrigues escrever sobre Oscar Cardozo. Perante esta impossibilidade, tomo-lhe descaradamente as palavras, bebo-lhe desavergonhadamente a paciência para explicar aos menos aptos, com detalhe, aquilo que é imediato e natural para os bafejados de bom senso e percepção mediana (ou superior), e tento, ainda que timidamente, ter nem que seja um pouco da graça que Rodrigues sempre teve, mesmo quando escrevia acabrunhado por uma derrota dolorosa.

Tacuara. Chamam-lhe assim lá no Paraguai, porque é alto e vergado para a frente e é esguio, fazendo lembrar uma cana – vi na Wikipédia – específica da região. A tal tacuara. Fosse ele português e chamar-se-ia “Eucalipto”, sendo que hoje seria terceira opção numa União Desportiva Sousense, por exemplo – onde actua o melhor jogador que alguma vez defrontei: Filipe Cândido (depois de ter passado pelo Real Madrid, com 16 anos). Mas não. Tacuara tem a sorte de ser estrangeiro e de ter jogado na Argentina. Ao serviço do Newell’s Old Boys brilhou e o Benfica não foi de modas: 11 milhões em cima da mesa pelo cepo mais esguio que havia na América do Sul a jogar à bola.

É que o homem não sabe fazer uma finta. Minto. Sabe fazer uma finta: aquela. Vocês sabem do que eu estou a falar – ele faz assim, assim, assim, e passa à frente do defesa que, incrédulo, quase cai para trás. Resulta sempre quando o Tacuara faz “aquela”.

A verdade é que Tacuara, para além de ser grande, poucas qualidades tem. Faz uma média de seis golos por cada dez jogos. Tem um pé esquerdo poderoso, é certo. E, sim, claro, bate livres como poucos. Fora isso, lá marca de cabeça de vez em quando – pudera, com quase um metro e noventa -, faz golos de penalty – que grande dificuldade: ainda por cima, chuta quase sempre com demasiada força – e, de há uns tempos para cá, lá faz um ou outro golo fácil de pé direito. Como aquele ao Manchester United, para a Champions, por exemplo.

Tacuara dificilmente dá dois toques elegantes numa bola. E não o ponham a distribuir jogo ou a cruzar para os companheiros. Não o metam no lugar do Aimar. Nem do Nolito, que velocidade não é o seu forte. O Tacuara é um gajo pejado de defeitos. E disto eu não tenho qualquer dúvida. É que os tem mesmo!

Fora isso, é aquele gajo que fez 111 golos em 188 jogos. É também aquele que o Aimar ou o Nolito não poderiam substituir, nunca – nem às cavalitas um do outro. Nem o Rodrigo ou o Saviola ou Nelson Oliveira, já agora – todos de mãos dadas. Por cada vez que me leva ao desespero e à incredulidade, Oscar Cardozo acrescenta umas vinte em que me faz vibrar e nos faz ganhar. Se há nesta terra e nesta equipa alguém que merece a minha tolerância e o meu apoio, esse alguém é quem me dá pontos. E Oscar, o Tacuara, Cardozo é, de facto, um desses que me dá pontos. Às dezenas deles.

Se o Nelson Rodrigues cá estivesse e lhe pedissem uma definição para o “óbvio ululante”, não tenho dúvidas que a sua resposta seria “Oscar Cardozo, está na cara, até minha vizinha gorda e patusca sabe”. Mas isto só para quem não é lorpa nem pascácio.

17 comentários:

POC disse...

Ele enerva-me, porque não é "bonito" de se ver jogar. Mas é ele quem as mete lá dentro, salvo seja.

E HÁ ANOS E ANOS que não tínhamos assim ninguém.

Enquanto lá estiver, apoio. Não gosto é que esteja contrariado, e às vezes, pela forma como fala ao público, parece. Mas também é provocado. Com ele, ninguém tem paciência.

Mas também te digo, acho que são aqueles que só aparecem nas borlas, que metem os pés uma vez no Estádio, que nunca acompanharam a aquipa, que nunca sofreram a sério. Que nunca choraram. Que nunca ficaram com dias e dias estragados porque a puta da bola não entrou.

Quem calça, calça porque alguém o manda calçar. É a esse que devem pedir explicações. E sobre Óscar, que continue a facturar.

E aquela finta que relataste é do camano...caem todos!

http://simaoescuta.blogspot.com

Éter disse...

Penso que somos poucos na família benfiquista a apreciar Cardozo. É pena.

Não sei há quantos anos não lia "pascácio" e também não faço ideia de onde li a palavra pela última vez. Mas obrigado por me recordares a sua existência. É uma palavra demasiado bonita, e que dá gosto pronunciar, para estar perdida no esquecimento.

Diego Armés disse...

A expressão "lorpas e pascácios" é de Nelson Rodrigues. Para identificar aqueles que não aceitam o "óbvio ululante".

Tolan disse...

Concordo em absoluto. Sempre gostei do Cardozo. Por oposição, no outro dia ouvi no rádio, acho que na TSF num programa de bola, o gajo do Sporting a dizer (e juro que isto é real e não foi dito em tom irónico, que «os jogadores não podem ser completos, têm qualidades e defeitos! Se o Helder Postiga marcasse golos, com aquela técnica, era um dos melhores pontas de lança do mundo!»

até me ia estampando no carro!

Luis Rosario disse...

Aquela finta! Oscar vai controlando com o pé esquerdo, roda para a direita, parece que vai atrasar a bola ou "temporizar", mas a bola permanece no pé esquerdo e, qual Flash Gordon, imprime uma velocidade estonteante no resto da rotação e arranca imparável para a linha de fundo, deixando especado o adversário...

Só é pena ele não estar lá para facturar do cruzamento!

Todos os fins-de-semana me pergunto o que poderia valer um Tacuara auto-motivado e acarinhado por 30000 benfiquistas... Talvez 188 golos em 188 jogos...

Vai deixar saudades, mas a maioria dos adeptos só vão perceber isso depois dele partir.

M. disse...

"Aquela" finta.
Diego: muito obrigado. És o Nélson Rodrigues dos blogs do Benfica. Mas isso é um "óbvio ululante". Defenderei Tacuara até ao infinito. É-me óbvio que o homem é fantástico nessa coisa tão rara que é fazer golos. O homem tem golo. Tem aquele sexto sentido, tem o killer instinct. É tudo o contrário do Nuno Gomes, esse "goleador sentimental".
POC: eu sou dos que ainda sonha com o falhanço do Nuno Gomes contra o Españyol. Sou dos que fica com o dia, a semana, a vida estragada porque ela não entra. E por isso, Cardozo faz-me feliz.

Bimbosfera disse...

Mas quem é esse Nelson Rodrigues?

Quanto ao Cardozo reparo numa coisa... São 7 comentários com o meu, mas 6 pessoas, e o certo é que Cardozo, aqui, é 100%! Custa-me compreender falta de paciência para com Cardozo, Aimar ou Saviola. Sim, Aimar, pois agora é Aimar mais dez, há um ano ou dois, mesmo no ano do título... Estava velho, o Martins era melhor... Sei lá...

Digam-me só quem é o ululante! Ah! E gostei do «jogador incompleto», ehehehe! Cuidado com que se faz quando se conduz. Ouvir certos programas é como tomar drogas, afecta a condução!

Abraço

Márcio Guerra

Bimbosfera disse...

P.s.- Já encontrei. Além disso pensava que era português, mas, ao andar por aí abaixo, e ver que afinal sempre era o primeiro brasileiro com que me deparei na procura inicial (imaginei que fosse algum «jornalista» nacional com algumas das suas brilhantes tiradas) e dei conta desta página sobre ele, a quem interessar!

http://pt.wikiquote.org/wiki/Nelson_Rodrigues

Abraço

Márcio Guerra

Mr. Shankly disse...

"Penso que somos poucos na família benfiquista a apreciar Cardozo. É pena."
Por acaso acho que quem não gosta dele é uma minoria. Que assobia. Puta que os pariu, digo eu. E diz o Cardozo também, e eu apoio.
Grande texto, adoro o Nelson Rodrigues também.

Diego Armés disse...

Mau. Só há dois tipos de pessoa que não gosta do Cardozo: os lorpas e os pascácios - não volto (porque é o que estou a fazer, precisamente) a repetir. Ora, nenhum dos meus leitores é uma nem outra coisa, ou é? Pronto, estão explicados os 100%.

Bruno Pereira disse...

Quanto a Cardozo...
http://orgulhosamentelampiao.blogspot.com/2011/12/as-perguntas-certas.html

Abraço!

godgil disse...

Eu sou lorpa e pascácio desde pequenino. Pascácio é mais por parte do pai. O resto não digo. Não sei quantos golos marcou o Cardoso pois não quero nada com estatísticas. Mas devem ter sido muitos, a julgar pelos silvos & assobios com que é brindado nas raras ocasiões em que não marca. Parabéns pela descoberta da origem botânica do seu nickname. Um caso lapidar de justiça poética. E pronto. Só espero que continue a marcar muitos golos e com isso pintar um sorriso na alma dos benfiquistas.

Constantino disse...

Diego,

Uma vez (atenção que o que se segue não é fantasia, é realidade) estava eu na Luz a assistir a um empate depressivo do SLB com o vitoria minhoto, quando na 2ª parte uma falange de adeptos se levantam e começam a entoar "ó Toni mete o Mawete...ó Toni mete o Mawete". Estes eram os mesmos adeptos que assobiavam o Nene, que assobiaram o Nuno Gomes e que assobiam o Cardozo. São lorpas ou pascacios? penso que não. Apenas têm uma visão muito distorcida do que é ser ponta de lança. Para mim, no SLB só há 3 jogadores com creditos para falhanços: Luisão, Aimar e especialmente Cardozo. O paraguaio é daqueles que pelo que já fez no SLB, conseguiu obter vidas infinitas.

Abraço.

Diego Armés disse...

Não digo que sejam constantemente, 24 horas por dia, lorpas e/ou pascácios. Mas - e isto sempre na óptico do sábio Nelson Rodrigues -, tem momentos em que são claramente uma das coisas, pelo menos.

mago disse...

Excelente post, e comentario `a altura do M. a antecipar-se (tipo Luisao) e dizer precisamente aquilo que me passa pela cabeca.

E aproveito para referir que a unica coisa que me irrita no Tacuara e' ele nao mandar um dos seus balazios a todos os jornalistas que insistem em escrever "Takuara". Daqui a bocado comecam tambem a escrever "Cardoso", ou a dizer que o Saviola e' "El Conego".

Abraco sul-hemisferico.

M. disse...

Mago, a expressão "o Cardozo tem golo",assim, com força e de pé esquerdo, à Tacuara, é tua e é na ressaca daquele 0-1 em Aveiro, que vimos na madrugada australiana no teu sofá. O seu a seu dono! Um grande abraço, sentimos a tua falta na bancada.

POC disse...

M., esse falhanço contra o Espanhol pode ter-nos tirado uma UEFA. Mas todos falham. Só que eu também não esqueço.

Ainda para mais, nesse dia resolvi levar a família toda, pela primeira vez, à Luz. A minha irmã ia às vezes. Os meus pais (mãe que na altura só gostava, pai que só gosta de motores - carros, motas, avoes) ficaram maravilhados, a minha mãe tornou-se sócia...e a puta da bola não chegou a entrar.

Fiquei tão fodido com L...custou-me, por tudo. Mas custou-me porque não passámos e éramos tão melhores...

E o golo do Caniggia anulado em San Siro? Até lágrimas me caíram.

http://simaoescuta.blogspot.com