segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Correio dos leitores

Depois de uma semana agitada, tive um fim-de-semana com o sabor do fel. Aparentemente, as minhas estimadas leitoras encontraram neste humilde recanto razões mais que suficientes para se indignarem – e fizeram-no com alguma rudeza e admirável persistência.

A culpa foi, sobretudo, do arroz. A Dona Paulina, das Mercês, escreve-me um pouco exaltada e diz que “um arroz desses nunca na vida pode ser malandrinho – nunca! Sai todo empapado”. Minha cara Paulina, a nota, como pode ver, foi registada e está publicada. Fica a dica para os mais “criativos” que insistem em inventar na hora de ir direito ao assunto. Mas não foi apenas a Dona Paulina a indignar-se. A minha caixa de e-mail estava bastante recheada. De Sacavém – e noto aqui uma certa tendência suburbana nas minhas leitoras que me causa regozijo -, Ana Luísa diz-me o seguinte “leio assiduamente este blogue e costumo gostar, mas não entendo por que raio não publica a receita completa. Queria convidar a secretária do meu marido para jantar e, assim, como é que posso dar-lhe o arroz?”. Querida Ana Luísa, queira contactar a Dona Paulina. Eu passo-lhe o contacto por e-mail.

Eu podia continuar, mas a ideia não varia muito. Entre ingredientes a mais e a falta deles, o visado acaba por ser sempre o mesmo: este vosso esforçado mensageiro. Mas nem todas as reclamações foram de índole gastronómica. Ao engano, algumas das minhas exigentes analistas vieram ao 227218 em busca de “futebol”. Debalde, como é evidente. Quando falei do Cristiano Ronaldo e daquela pessoazinha irritante e sonsa que joga maravilhosamente à bola, julgaram tratar-se de assunto futebolístico. Mea culpa, poderia e deveria ter-me explicado melhor.

Cristina dos Santos, da bonita localidade de Fogueteiro (ou será “do” Fogueteiro?), diz o que se segue: “é inacreditável, é uma falta de vergonha… comparar o montanheiro do Pico Ruivo com aquele amor de pessoa, aquela fofura, aquele docinho… eu… eu nem acredito! Nunca mais cá ponho os olhos!”. Cristina, se reconsiderar e permitir que os seus olhos aqui regressem, queira saber que não foi minha intenção ofendê-la. Cumprimentos.

Isabel R., da Nazaré, em vez de andar a ver as ondas gigantes, prefere vir para a Internet ler acerca do seu querido Lionel, parece. E também se indigna: “ó Diego, ó Diego, ó Diego! Então tem lá comparação aquele mal educadão, convencido e putanheiro com aquela jóia de rapaz, que fosse eu casadoira e não me escapava?! O meu Mário João que me perdoe, mas o Leo é um xuxu!” Há coisas que me causam espanto e esta é uma delas: chamar-se “Leo” a alguém cujo nome se escreve “Lionel”. E ondas com 30 metros também me impressionam um pouco.

Há mais. A que aí vem é a minha preferida. Aparentemente, trata-se de uma jovem portuguesa em Erasmus por Barcelona. Enfim, Hospitalet de Llobregat, tal como manda o perfil-padrão. Chama-se Liliana e estuda Ciências da Comunicação: “O Messi é uma excelente pessoa, fica sabendo! E veste-se muito melhor do que o Cristiano! E é o melhor jogador do mundo que eu jamais alguma vez vi! E ama os seus adeptos, não joga pelo dinheiro! E respeita o futebol, não o suja! E não usa Linic! Estúpido!” Minha exclamativa Liliana, não quis melindrá-la, a sério…

Vamos lá ver… minha senhoras, eu gosto muito de vocês. E quero que aqui fique bem claro uma série de coisas. Primeiro que tudo, de futebol não percebo grande coisa, não é ciência que domine. Gosto de ver e de ir ao estádio. Mas, por norma, só percebo que foi golo porque vejo as pessoas a gritar à minha volta, muito eufóricas. Como gosto de me sentir integrado, imito-lhes os gestos e comporto-me como um primata pouco desenvolvido. De resto, a coisa acaba aí. Este blogue é um sítio de partilha e desabafos, sim. Mas o que eu prefiro mesmo é a culinária – embora também não seja especialista na matéria, como pôde ver-se pelo episódio do arroz.

O que defendi relativamente ao affair Messi – Ronaldo não passava de um desabafo do momento. Irrita-me sobretudo que o mundo inteiro seja tão beatamente devoto ao argentino e tão obstinadamente anti-Cristiano. Mas que fique claro que a minha compaixão pelo madeirense se esgota no ponto preciso em que a minha raiva se desvanece. Com ele partilho a nacionalidade e até essa de um modo meio enviesado e sem grande prazer no assunto.

Sobre o ungido das pampas, é com enorme angústia que me vejo obrigado a aceitar que entrou definitivamente no panteão dos desuses da bola. Porque lhe falta aquele ingrediente que faz dos reis, mais que adorados, temidos: o carisma de um líder. Lionel, bem feitas as contas, tem o carisma de um copo de plástico o que torna a nossa relação – entre mim e ele – uma impossibilidade.

Se o universo do futebol fosse uma turma do 6.º ano, o Messi seria aquele gajo que tira 20 a tudo e que é o nerd da turma, que não se dá com ninguém que não seja igualmente nerd e cujo sentido de “estilo” se resume à ambição de possuir uma mochila com mais de três cores fluorescentes. Nessa mesma turma, haveria um bully. Quem melhor para o papel do bronco cheio de mania do que o Cristiano, não é? Aposto que o Cristiano todos os dias roubaria o pacotinho de leite achocolatado ao mariquinhas do Lionel só para escrever na parede do ginásio “Kristiano teve aki” como se estivesse a mijar.

Se eu fosse da turma deles, não seria amigo de nenhum. Mas iria, apesar de tudo, achar mais graça ao analfabeto com músculos. Espero que a analogia vos tenha apelado ao sentimento e que tenhamos ficado esclarecidos.

17 comentários:

trabalhodecasa disse...

é tão, tão triste ver dois monstros futebolísticos com tanta coisa a mais e a menos para se poder gostar das personas humanas que lhes subjazem. Fica só a dimensão futebolística, o que já não é mau, mesmo sendo insuficiente.
É como se fossem filhos do Fifa 2011 ou do PES.

POC disse...

Daqui a jovem de Hospitalet de Llobregat.
Saúdo o seu post, caro Diego Armés.

No entanto continuo bastante ofendido, perdão, ofendida.

Lionel, ou Leo, é uma jóia de moço. O Azeiteiro é...o Azeiteiro.
Lionel é um bocado nerd, mas não é porque se aplica muito mais que os outros, é porque ele é naturalmente bom.

Cristiano é o gajo que rebenta pacotes de leite dentro da sala, faz guerras de papéis encharcados em cuspo a saírem disparados das BIC's e, por muito que tente, não chega aos calcanhares do nerd.
Eu curto o Cristiano. É aquele gajo que me faz dizer: tenho um granda anormal na turma...tens de ver. Até me rio de tanta tristeza junta.

http://simaoescuta.blogspot.com

PS: guerra de tiros empapados em canetas é épico. Ahhh...saudades.

POC disse...

trabalho de casa,

Mas isso é sacrilégio.
Toda a gente sabe que o FIFA é para homens, o resto para putos.

É como o Benfica ser o Maior ou não.

Até há uns anos, PES dava baile. Quem gosta de futebol, da táctica, da física dos jogadores, da proximidade com a realidade, da SIMULAÇÃO dum jogo...então é sempre FIFA. Mais difícil, mais real, mais lógico. Mais.

Já fui um acérrimo defensor de PES. Mas só até quando fazia sentido.

http://simaoescuta.blogspot.com

Constantino disse...

Sejamos honestos e, acima de tudo, benfiquistas: um Lionel, por muito sonso que seja, aguenta-se; um Laionel é que... fodasse, puta que o pariu.

Abraço (daqueles com chapadonga nas costas, que os outros so de "toque de barriga e afasta", para alem de ser maricas, são sonsos)

Ricardo disse...

Pois é... Leo porquê?

Vou confessar uma coisa, uma coisa vergonhosa: não jogo nem PES nem FIFA.

Diego Armés disse...

Isso do "Leo" e as pessoas que metem a cruzinha no "divertido" ou "interessante e fantástico" fazem parte do universo "fascínio do Diego". Não lhes conheço as razões nem as origens, mas o propósito só pdoe ser entreter-me.

Eu jogo PES mas é portátil. Quando era um jovem, jogava ao FIFA. De qualquer modo, Sensible Soccer forever!

POC disse...

Hey hey hey.
Eu não jogo. Tenho lá em casa para quando os amigos se juntam. Quando alguns, emprenhados pelas gajas, já não gostam de jogar (de repente!), eu só penso "que esta merda nunca me atinja!".

É efectivamente uma coisa gira para estar com uns amigos. Acho até mais graça à paródia à volta do que do jogo propriamente dito. Desde gajos a festejarem e a espalharem-se no chão, cenas de ameaças, de gajos a baterem porta fora e a irmos buscá-los à rua...só porque não aguentavam a pressão de levar um golo de merda, quando nos estavam a massacrar. Épico.

De qualquer forma, FIFA. Aliás, nos últimos 2/3 anos, até as críticas da especialidade já não têm dúvidas.

Interessante e Fantástico. E se pudesse votava nos dois! Posso?! Epá posso.

http://simaoescuta.blogspot.com

pitons na boca disse...

Ah pronto. Sensible Soccer. Agora sim, nos entendemos. Quando o Kick Off (1 e 2) do magnânimo Dino Dini perderam a liderança dos melhores jogos de sempre. Evolução, diziam eles. E com alguma razão.
Jogos de consolas não é comigo.


A analogia até está bem conseguida, mas o Messi não é o nerd que tira 20 e ninguém quer nada com ele. É sim, o gajo que tira 20's sem estudar a ponta de um corno, sem se esforçar e que até faz alguma merda de tempos a tempos, mas conta sempre com a complacência dos profs, à conta de ser aluno de 20's.

Diego Armés disse...

Vocês acreditam no que quiserem. E o Messi até pode nem estudar para tirar os 20's - se é assim que querem estragar-me a analogia, força nisso. Expliquem-me, então, que notas tira o retardado do Cristiano. Só para saber se a analogia deixa pontas soltas só de um lado ou se a coisa serve para os dois.

E eu só falaria com o Messi se ele tivesse uma irmã jeitosa.

Constantino disse...

Epah epah Sensible World Soccer... indescritivel. Ainda me lembro, também do PCFutbol (campeonato espanhol) e do Italia94 (onde aparecia um tipo na Fiorentina chamado Manuel Rui Costa). Grandes momentos... melhor só quando comecei a jogar CM em rede até às 6 da manha, sempre com o AC Milan (benfica não podia ser porque eramos 4 jogadores, todos do Benfica e aquilo era coisa para no fim dar raia).

PES so joguei quando "trabalhei" no Dept. de Animação do Lake Resort em Vilamoura.... repararam nas aspas em volta do "trabalhei"?Grandes torneios de PES que organizavamos lá com clientes. Escusado sera dizer que eu sou a maior nodoa da historia a jogar PES, sempre fui muito mais de jogos manager. Inclusive no SWOS, sempre preferi jogar so como manager.

Ricardo disse...

Do modernismo, só aceito o FM - e, mesmo assim, tenho andado afastado das Champions consecutivas como treinador do Estrela de Portalegre.

Sensible, sou sensível, sim; mas sempre foi mais na base do Elifoot - aqueles nomes a piscar davam-me anos de vida! O Bruno Labbadia marcava que se fartava. E o Romário, claro.

O fodido era quando tínhamos 4 equipas ao mesmo tempo. Tirava anos de vida.

Mas tinha o especial encanto das contratações, com os amigos ao lado a querer ver quando oferecíamos aos atletas que queríamos. Acaba sempre tudo na falência.

Montenegro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pitons na boca disse...

Epah, o Crisnaldo foi gajo de 20's, mas desde que apareceu o outro gajo dos 20's perdeu-se e agora anda entre os 20's e os 19's. Muitos profs não gostaram disso, então arranjaram no outro o "menino bonito". Também não estuda um corno, mas tem problemas disciplinares por fazer mais merda (ou mais visível) e com ele os profs já raramente dão abébias. Ainda por cima come tudo o que é gajas, desde a EB2+3 dele até às caloiras da universidade lá das redondezas. E isso dá uma inveja do catano a alguns professores jarretas lá do sitio (bem como às professoras cinquentonas que andam de olho a tentar saltar-lhe em cima).

(tá melhor assim?) :P

Não era minha intenção estragar a excelente analogia do texto....

(o comentário anterior foi com outra das minhas múltiplas personagens cibernauticas)

Constantino disse...

Bolas Ricardo, um gajo a falar de jogos mortais e ti vens com o Eliffot, um Deus. Isso ainda existe, mas esta conspurcado: agora é preciso registarmo-nos e é a pagantes. O Elifoot, o jogo que introduziu milhões de adeptos no obscuro mundo das "Falências Técnicas" (alguem alguma vez conseguiu terminar uma epoca sem ser a negativo?) agora é pago...

(agora, para alem do Elifoot tambem há o Brasfoot, que basicamente é o bacalhauzar do jogo: sempre o mesmo ingrediente, mas feito de diversas formas. Neste caso à Brás...ah ah ah ah...)

Diego Armés disse...

Eu não acredito nisto... Está explicado por que razão gostam tanto do Messi - cambada de meninos. Devem ouvir a Renascença, como a Dona Paulina, e ler a Maria, como a Cristina dos Santos.

O Elifoot chegava a um esgotamento após a euforia inicial. Esse esgotamento fazia com que ninguém comprasse nem vendesse nada durante cerca de duas épocas e também impedia que pudéssemos ser despedidos. Passado este período de crise financeira, vinha a retoma e tudo ficava estável e equilibrado, permitindo-nos recuperar jogadores até aos 50 de força.

E quem nunca editou todo o template, equipamentos e plantéis do Elifoot vai ver a sua licença de comentador neste recinto desportido reavaliada.

Constantino disse...

Diego,

O Ricardo nunca editou todo o template (sim eu sou o chibo do sporting).

Ricardo disse...

Não percebi, Constantino. Li 10 vezes a tua frase e fiquei exactamente no mesmo lugar.

E estou sóbrio. Não posso culpar mais nada nem ninguém.