quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Citando Hornby #2

Qualquer clube nocturno em que entremos, qualquer peça, filme ou concerto a que assistamos, qualquer restaurante onde vamos comer, a vida continua a acontecer noutros lugares na nossa ausência, mas quando vou a Highbury assistir a jogos como este, sinto que o resto do mundo está parado à porta do estádio, à espera de ouvir o resultado final.”
(Febre no Estádio)

O negócio é o seguinte: eu vim da leitura de Borges e dos seus universos perpétuos, da sua construção mental do absoluto e do eterno; pelo meio disso, li o pequeno ensaio de Melville, Bartleby, sobre a obstinação, a solidão e o inexplicável na atitude humana; comecei, e entretanto interrompi, Cormac McCarthy e a sua Estrada pós-apocalítica que, desconfio, não chegará a lado algum. Depois da frase supra-citada, só posso concluir que tudo o que busquei nessas literaturas foi em vão, por mais que tenha apreciado o processo de buscar e de ter lido o que li. Isto, porque o objecto da minha procura estava escrito e explicado desde 1992, numa pequena metáfora futebolística acerca de um Arsenal – Everton disputado em 1988. Quando li esta passagem, só pensei “é isso aí, Nick”.

(O livro, que me foi emprestado, tem agora diversas páginas com os cantos dobrados – são páginas que contêm matéria do meu e do vosso interesse e sobre elas conto escrever durante os próximos tempos. Mário, se me estás a ler, fica a garantia de que irei desdobrar-lhes as pontas antes de te devolver o livro. Espero que não me leves a mal.)

4 comentários:

pitons na boca disse...

"li o pequeno ensaio de Melville, Bartleby, sobre a obstipação"

Não era isto que devia estar escrito? :P

chi dura vince disse...

O fever pitch é um dos meus livros favoritos desde sempre, o nick hornby consegue transformar as palavras em bancadas cheias de calor

M. disse...

Também senti isso durante a leitura: O sentido da vida, da existência da espécie, está tudo aqui.
Um elogio a esse livro só fica completo com um palavrão, portanto seguem dois: foda-se, é um livro do caralho.

Hugo Rocha Pereira disse...

Grande livro o "Fever Pitch" - e ainda sabe melhor lê-lo tendo em conta certos jogos que o Glorioso fez contra os Gunners.